• naravidal

Capitolina

Atualizado: 11 de Out de 2019


Na Inglaterra, vem sendo notícia, livrarias independentes estão fechando as portas, devoradas pelas gigantes Waterstones e Amazon. Nada contra a Waterstones. Eu mesma passeio pelos seus corredores como se tempo fosse um comprimido que eu pudesse sacar da minha bolsa a qualquer momento e recarregar as gotas pingadas dos pontuais relógios ingleses. Também nada tenho contra a Amazon que, aliás, servirá de vitrine para a minha mais recente loucura: uma livraria virtual que venderá livros físicos de literatura brasileira contemporânea no original, ou seja, em português.

Além do problema da escassez das livrarias aqui neste país, que me abraçou e no qual sou muito mais feliz que triste, existe a barreira da tradução e da venda dessas traduções. Apesar de, nos últimos anos, Elena Ferrante e Karl Ove Knausgaard terem contribuído enormemente para a aproximação do leitor inglês com a ficção estrangeira, o Reino Unido ainda é um território relativamente isolado, ilhado no que diz respeito à cessão de espaço nas estantes para livros em línguas que não seja a inglesa.

São vários os motivos e as desculpas para esse distanciamento. Em vez de me prolongar nesse tópico, acho relevante citar duas das que possivelmente sejam as mais expressivas razões para tamanha birra ou, vá lá, casmurrice em relação ao mundo literário estrangeiro.

O mais previsível é também um dos mais determinantes. O mundo parece mesmo falar inglês. Pobre esperanto, não tinha mercado financeiro, bolsa de valores, moeda forte e nem histórico de povoamento, colonização e exploração para preencher a ambição de dominar o mundo. Mas a língua inglesa o fez. O seu mundo dominado inclui as letras, a literatura. Não que isso seja uma vantagem para o próprio inglês. Isolado dentro da própria prosperidade, deixa passar experiências culturais transformadoras para o seu povo.

A outra dificuldade em proliferar literatura brasileira, ou qualquer outra estrangeira em sua língua original, é a alienação dessa mesma língua estrangeira e, consequentemente, sua literatura, dentro das escolas britânicas. Novamente, num formato autossuficiente, as escolas usam e abusam de Shakespeare, Byron, Dahl, Lewis Carrol, Beatrix Potter, Austen, Dickens.

Sortudas?

Sim, claro! Mas por outro lado, as pobres crianças ricas do Reino Unido nunca saberão de Guimarães Rosa, de Machado e de Lobato. Esse treino de distanciamento tem como consequência, mais adiante, essa disparidade entre o que sabem eles de nós e o que sabemos nós deles.

A situação é desanimadora. Então, o que se faz? Abre-se uma livraria especializada exatamente em literatura estrangeira na sua versão original, no caso, brasileira.

A Capitolina Books, uma espécie de loucura admissível, funciona a partir de setembro, com festa de inauguração em Londres e tudo mais a que temos direito.

#NaraVidal #CapitolinaBooks #Livrariavirtual #Londres #Inglaterra

7 visualizações

siga!

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle