• Do Rio pra cá

O sonho de viver nos Estados Unidos virou realidade

Atualizado: Set 2


Vista de Manhattan, Pixabay
Vista de Manhattan: nosso sonho se tornou realidade. (Foto: Pixabay)

Nosso sonho de viver fora do Brasil virou realidade. Apesar da preferência pela Europa e das cidadanias italianas em mãos, as nossas oportunidades profissionais estão na terra do Tio Sam (Meu marido trabalha em uma empresa do setor digital.) Meu nome é Renata Villaça, sou atriz e dubladora. Vou contar pra vocês como o sonho de viver nos Estados Unidos virou realidade.


Artista que sou, eu fiquei emocionada ao saber que mudaríamos para Nova Iorque. Mesmo com uma bebê pequena, anunciamos nosso apartamento em São Paulo, vendemos o carro, despachamos nossa mudança. Esticamos as férias na casa da minha mãe no Brasil.


Enquanto os vistos não chegavam, curtimos a família e procuramos na internet onde moraríamos: Upper West, Chelsea, Williamsburg, Long Island City. Nosso foco final estava neste último bairro, que fica logo depois que a gente cruza a ponte de Manhattan mesmo a pé. É um reduto de estrangeiros, brasileiros na escola, condomínios-clube modernos, como os de São Paulo, e um visual de tirar o fôlego. E-mail vai, corretor vem, proposta vai, desconto não vem e... pronto, chega a pandemia!


A ESPERA DE MUDANÇA EM MEIO À PADEMIA


Com o caos, não fizemos nossa mudança. Ficamos 11 meses acampados na casa da minha mãe com o filho de 10 anos sem escola e a bebê crescendo em meio à indecisão. Esperamos enquanto Nova Iorque empilhava corpos das vítimas da Covid-19.


O lado bom dessa espera foi refletir mais sobre morar na Big Apple. Estudei sobre a vida no subúrbio. Não por acaso a região é conhecida como Tri-State Area”, já que abrange as cidades de Nova Jersey, Connecticut e Nova Iorque.


Filtrando as opções pelo deslocamento até Manhattan, qualidade do distrito escolar, segurança e alguma vida própria, fiquei com algumas pérolas em mãos. No subúrbio, poderíamos morar numa “single family house” (casa para uma família apenas) com quintal e brinquedoteca.

Em novembro, decidimos ir para os Estados Unidos a qualquer custo. Passamos duas semanas de quarentena no México - as fronteiras ainda estão fechadas pra quem sai do Brasil. Foram 15 dias de tensão pela presença do vírus da Covid-19, mas, também, de muita surpresa boa pelos bairros e praças lindas que a cidade do México tem. Lá ficamos eu, marido, crianças, a cachorrinha Gabi e 10 malas (olha, aí em cima.)

Enfim, no dia primeiro de dezembro de 2020, chegamos a Nova Iorque, o lugar que escolhemos pra viver.

Enfim, acabamos vir morar em Westfield, a 45 minutos de Manhattan de trem, ônibus ou carro. Minha busca me fez encontrar essa área. É uma cidade linda, com centrinho super charmoso e escolas excelentes. Nossa casinha está na foto acima. Vou facilmente a Manhattan a trabalho ou a passeio.


Estou pronta para contar um pouco sobre o meu ponto de vista de moradora, de turista fã de Manhattan que veio pra morar, só que no subúrbio.


Continue a seguir nosso time no Instagram e no Facebook também.


25 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo